Imprimir

Veja o discurso de abertura da IX Conferência

Ligado . Publicado em IX Conferencia

(Prof. Joel Almeida Santos – Presidente do SINTESE – EM 14/10/09)


Esta IX Conferência ocorre no momento de consagração para todos nós sinteseanos. Chegamos ao topo, ou quase isso, o velho sonho de nos tornamos um sindicato de professores da rede estadual e de 74 redes municipais se concretizou por esses meses. Somos o maior e um dos mais organizados sindicato de Sergipe, e sem dúvida o mais mobilizado. Fazemos luta e notícia diariamente.Cantamos em prosa, semeamos amor, colhemos amor e ódio.

E nessas batalhas e guerras travadas, choros e risos contidos e transbordantes, gritos e silêncios resistentes, aprendemos dois substantivos que foram a razão de ser do nosso SINTESE, que fizeram de nós o que somos, que muitos não conseguiam entender pela polêmica que eles geram em mentes conservadoras. Um é a teimosia, o outro a ousadia.

Recorri à poesia para mostrar o que é a nossa teimosia nesse lugar encantado, febril, doce e amargo e pleno, chamado SINTESE.

O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”

Recorri também à luta, debaixo do sol, da lua, da chuva, para mostrar no dicionário dos lutadores do povo, o que é a teimosia, há algo mais teimoso que esse nosso canto de fé? O professor unido jamais será vencido, e o professor na rua, a luta continua.

No entanto querem calar nosso canto, manchar nossa rebeldia de xingamentos, cravar em nosso peito a espada da ambição e do ódio. E isso tem uma razão: o povo de Sergipe se liberta, tem sede de justiça, morre de vontade de se organizar. O SINTESE acende o pavio, e o fogo da liberdade queima em nossos corações. E não é apenas um, já são 75. Tentaram centenas de vezes nos aniquilar, tentam milhares, tentarão milhões. Hoje até nosso sagrado direito a greve é interrompido diariamente. E aqui recorro mais uma vez ao poeta:

De tudo ficaram três coisas...
A certeza de que estamos começando...
A certeza de que é preciso continuar...
A certeza de que podemos ser interrompidos
antes de terminar...
Façamos da interrupção um caminho novo...
Da queda, um passo de dança...
Do medo, uma escada...
Do sonho, uma ponte...
Da procura, um encontro!

Somos seguidores da teimosia e da ousadia, e essa nossa conferência tem o intuito de ousar, de nos prepararmos para as próximas caminhadas, de discutirmos os novos rumos , as novas perspectivas, a nova carreira. É preciso ousar, é preciso refletir, sem tirar os pés do presente, ele é nossa matéria. É da terra do presente que emerge a árvore do futuro, mas só ousa vencer, os que ousam lutar, em bases sólidas, atados.

É essa sensação que nos traz a poesia de Drummod que enaltece o presente, mas deixa claro o nosso sentimento do mundo:

“ Não serei o poeta de um mundo caduco

Também não cantarei o mundo futuro

Estou preso à vida e olho meus companheiros

Estão taciturnos, mas nutrem grandes esperanças

Entre eles considero a enorme realidade,

O presente é tão grande, não nos afastemos

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas”

Para finalizar, gostaria de agradecer por mais uma grande conferência os meus companheiros de direção do SINTESE, os funcionários, assessores, convidados, aos meus companheiros e companheiras professores e professoras de muitas jornadas de luta. E aqui queria deixar minha declaração de amor à referência histórica da classe trabalhadora de Sergipe: o nosso SINTESE

Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que eu te diga, além de que te amo, se o que eu quero dizer-te é que te amo?

Muito Obrigado!